Amazon View!

Matérias Temáticas | Turismo

Presidente Figueiredo, o paraíso de cachoeiras

Próximo 107 kms de Manaus, com acesso pela rodovia BR-174, o município de Presidente Figueiredo desponta como um pedaço de paraíso amazônico, onde a natureza é pródiga em esconder seus encantos nas cavernas e cachoeiras. A área do reservatório da Hidrelétrica de Balbina é outro atrativo da localidade e possui excelentes exemplares da fauna e flora regionais para observação e pesquisas, inclusive pesca esportiva em programações especiais.

Imagine-se num lugar assim: florestas, rios, cachoeiras e cascatas em um mundo mágico que a natureza reservou para você. Presidente Figueiredo é assim, nasceu com vocação natural para o turismo. A “Terra das Cachoeiras” tem trilhas para caminhadas na selva, visita a cavernas, passeios de barco no lago de Balbina, visita à Hidrelétrica e tantas outras opções que incluem o turismo ecológico e de aventura.

O município de Presidente Figueiredo foi criado em 1981 e recebeu esse nome em homenagem ao primeiro Presidente da Província do Amazonas, João Baptista de Figueiredo Terreiro Aranha (1798-1861).

Localizado a 107 kms ao norte de Manaus, com acesso pela BR-174, esse pedaço de paraíso amazônico tem uma área de 24.781 km² distribuídos em reservas ecológicas e indígenas, mineração, hidrelétrica e uma exuberante floresta onde a natureza foi pródiga em esconder os rios, os igarapés e as cachoeiras.

O lago Balbina foi proporcionado pela construção da barragem da hidrelétrica que tem o mesmo nome, localizado no município de Presidente Figueiredo, no rio Uatumã, um dos afluentes do rio Amazonas.

O clima é quente e úmido com temperaturas médias abaixo dos 30º C.

A vegetação é formada pela floresta tropical e há grande predominância de terras acidentadas, onde estão as cachoeiras e cavernas. O rio Uatumã é conhecido por ser piscoso, principalmente na época da pesca do tucunaré durante os meses de setembro a dezembro, mas no lago Balbina a pesca pode ser realizada o ano todo, sendo excelente para iniciantes.

Outros atrativos são o Centro de Pesquisa de Quelônios, Mamíferos e Aquáticos da Manaus Energia (tartarugas, peixes-bois e ariranhas), o Centro de Aquacultura do IDAM, que realiza o repovoamento da lagoa afetada pela construção da hidrelétrica e o Centro de Pesquisas Arqueológicas que trabalhou no resgate do sítio arqueológico antes do processo de inundação.

O Centro de Proteção Ambiental também merece visita pelo vasto acervo de peças arqueológicas e sua grande coleção de animais empalhados. (Apolonildo Britto – Revista Amazon View – Edição 37)

 

Raid do Jalapão

 

Emoção, lazer, contemplação da natureza e aventura marcaram o 4º Passeio Fora de Estrada realizado este ano na bela e exótica região do Jalapão, leste do Estado do Tocantins. Um comboio de 49 veículos percorreu mais de mil quilômetros, em cinco dias, cortando os 34 mil km² do território da microrregião povoada de rios, lagoas, cachoeiras, dunas, cerrados e gente hospitaleira.

 

O raid do Jalapão é mais do que um passeio de lazer e desporto, é uma viagem ao coração do Brasil, onde se descortina a grandeza dos lavrados do Centro-Oeste, expandidos em chapadões ondulantes e grandes tablados. A quarta edição do evento, realizada este ano, não teve o número de participantes do anterior, mas percorreu uma trilha bem maior, com visita a sítios fora do roteiro original.

Os participantes do evento puderam viajar na máquina imaginária do tempo e vislumbrar a epopéia histórica da conquista das “Terras dos Tocantins”, quando os pioneiros chegaram no século XVII, oriundos do Maranhão, Piauí, Pernanbuco e Bahia, através dos “caminhos do gado”. A imensidão do cenário é tamanha que inspira tudo isso e lembra que essa parte do Brasil foi formatada pelas águas do oceano em priscas eras. Não se sabe ao certo se o continente se ergueu ou se o mar recuou ao longo dos 60 milhões de anos que desenharam o relevo do Jalapão. Uma das maiores lembranças são as dunas cor-de-cobre que ali chegam a 40 metros de altura, revelando o mistério do ciclo da vida na região.

O Passeio Fora de Estrada (Jalapão) deste ano foi promovido pelo Jeep Club do Tocantins, com o apoio do governo do Estado, através da Secretaria de Esportes do Tocantins, e mostrou que ainda é o maior evento esportivo do Estado, percorrendo mais de mil quilômetros na região leste tocantinense, num roteiro de paisagens impressionantes e inéditas.

O raid teve a participação de 110 pessoas vindas de várias partes do Brasil, em 49 veículos, entre Jeeps, caminhonetes e motocicletas, cuja comitiva visitou Ponte Alta, Mateiros, São Félix do Tocantins e Novo Acordo, onde foi recepcionada com festa e churrascada. O evento incluiu os principais atrativos da região repleta de cachoeiras, trilhas empoeiradas, serras, planaltos, chapadões, rios, lagos e as famosas dunas do Jalapão.

A primeira parada do comboio foi na cidade de Ponta Alta, para almoço. À tarde, já no município de Mateiros, onde há maior concentração de atrativos turísticos, o acampamento foi erguido na Prainha da Velha do Rio Novo, um local propício a banhos tranqüilos e cercados de areia branca e mata ciliar. Na manhã seguinte a atração foi a Cachoeira da Velha, uma queda de 25 metros formada pelas águas do rio Novo, que encanta pela beleza cênica e pelo volume d’água. 
    No dia seguinte a comitiva chegou às dunas do Jalapão, cujo cenário é composto de um lado pela Serra do Espírito Santo e, do outro, pelas veredas verdejantes típicas do cerradão, e o córrego Brejão do Areião, além da Lagoa Azul. Vale registrar que o fenômeno das dunas só ocorre naquele local, sendo que no restante da região, principalmente na época das chuvas, o solo arenoso é todo coberto por rala vegetação com a presença alternada de árvores de pequeno porte.

Na mesma área, o banho na Cachoeira do Formiga, com suas águas verde-brilhantes deslizando sobre lajeados, foi a pedida do grupo. Outra atividade obrigatória em Mateiros é apreciar o artesanato local. São peças únicas no país, confeccionadas à base de palha fosca do buriti e do capim-vereda, que é dourado. Depois de Mateiros, São Felix foi a próxima parada, onde o prefeito Isamar M. Ribeiro (Mazinho) preparou uma recepção de primeira, com direito   a jantar, forró, pernoite e café da manhã no dia seguinte.

O próximo destino foi a cidade de Novo Acordo, onde está sendo projetado um eco-hotel, que tem como cenário natural a Serra do Gorgulho, formações de grandes blocos de pedra que lembram ruínas de antigas civilizações. Antes, porém, todo comboio parou para um almoço na residência do prefeito do município, estada que se prolongou até o jantar e o pernoite.

O fechamento do 4o Passeio Fora de Estrada do Jalapão aconteceu com um almoço, no Domingo de Páscoa, em Palmas. (Apolonildo Britto – Revista Amazon View – Edição 37)

 
Apolonildo Brito

OUTRAS

Parceiros